2006-10-05

Anónimo

(sem nome)

Se atado a uma cadeira,
Alucinando num quarto
Me alugo e me vendo,
A culpa de que me acuse,
A qual sempre julguei minha
Não é mais do que a ressaca,
A secura da manhã
O mau estar constante de quem nunca descansa….

Se amordaçado a um qualquer deus
Nunca me ouviste gritar,
Se vendido te denuncio,
É do pesadelo que falo,
Do inferno e do fogo.

Se privado da palavra
Me fechei em grades,
Se danado com falsas verdades
Matei e não chorei,
Então tudo valeu a pena….

6 comentários:

P. Guerreiro disse...

Dedicado à minha irmã. Viva a Mini, Viva o Vermelhinho, e todos esses locais que nos fizeram crescer...

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Adoro-te meu Irmão!
Somos Irmãos Guerreiros, não é um sem nome que nos fará calar!
Enquanto não podermos voltar a ver os olhos temos a imagem deles no nosso coração e este será o veiculo de comunicação. Não te preocupes. Tudo passa! Nós já suportamos tanto e aqui estamos!
Beijo

Rafael de Portugal disse...

Quer-me parecer que interompi uma conversa particular e intima. Mil perdões!
Voltarei mais tarde.

copa-rota disse...

...só pra deixar o habitual abraço de bom-fim-semana...

Vale sempre a pena...passar por aqui.

Uma música:" Sensitive kind "
- J.J.Cale...(just to remember the old times...)

Fica bem, amigo Guerreiro ;-)

Leticia Gabian disse...

Palavras tão intensas e escritas de forma tão contundente costumam me deixar sem ar.
Beijo pra você e outro para sua irmã.

Luna disse...

Tudo merece a pena , se descobrires porque aconteceu
beijos